Você está em: Home, Noticias

Notícias

31
DEZ
Milho: Valorização cambial garante mais um de alta aos preços

Fernanda Custódio
Notícias Agrícolas

A alta do dólar registrada nesta quarta-feira (30) garantiu mais um dia de valorização aos preços futuros do milho na BM&F Bovespa. As principais posições do cereal encerraram o pregão com ganhos entre 0,76% e 1,50%. O contrato janeiro/16 era cotado a R$ 37,14 a saca, após finalizar a sessão anterior a R$ 36,59 a saca. Já o vencimento março/16 retomou o patamar dos R$ 38,00 a saca, negociado a R$ 38,10 a saca.

Por sua vez, a moeda norte-americana fechou a última sessão regular do ano a R$ 3,9480 na venda, com alta de 1,83%. Segundo levantamento da agência Reuters, o câmbio subiu 1,58 em dezembro e em 2015, a alta foi de 48,49%. O dia foi marcado pelo baixo volume negócios e pelas informações da formação da Ptax, taxa calculada pelo Banco Central e que serve de referência para uma série de contratos cambiais, ainda conforme dados da agência.

Enquanto isso, no mercado interno quase não houve referências para os preços do milho hoje. Em Não-me-toque (RS), Londrina (PR) e no Porto de Santos, as cotações permaneceram estáveis em R$ 29,00/sc, R$ 25,40/sc e R$ 36,00 a saca, respectivamente. Em Tangará da Serra (MT) e Campo Novo do Parecis (MT), o valor praticado foi de R$ 19,00 a saca. Nas demais praças pesquisadas pela equipe do Notícias Agrícolas não houve indicação.

Ainda no mercado doméstico, o câmbio foi grande destaque para os preços do cereal e trouxeram muitas oportunidades aos agricultores em 2015. A valorização do dólar contribuiu para a competitividade do milho brasileiro no cenário internacional, que por um bom tempo foi o grão mais barato no mundo. Consequentemente, as exportações deslancharam esse ano e as perspectivas também são positivas para 2016.

Entre janeiro até a terceira semana de dezembro, o país embarcou cerca de 27,1 milhões de toneladas de milho. Segundo dados do Cepea, o número representa uma alta de 31% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Além disso, a quantidade já ultrapassa o recorde de 2013, de 26,6 milhões de toneladas.

No acumulado em dezembro, nos 18 primeiros dias úteis, os embarques do cereal totalizam 5.053,2 milhões de toneladas. A média diária foi de 280,7 mil toneladas do grão. As informações foram divulgadas pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior) ainda ontem. Ambos os números estão acima do registrado em novembro e também de dezembro do ano anterior.

Bolsa de Chicago

O pregão desta quarta-feira (30) foi de volatilidade aos preços futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago (CBOT). Após testar os dois lados da tabela, as principais posições da commodity fecharam o dia com quedas entre 3,50 e 3,75 pontos. O vencimento março/16 era cotado a US$ 3,59 por bushel, depois de iniciar a sessão a US$ 3,63 por bushel. Já o contrato maio/16 era negociado a US$ 3,65 por bushel.

De acordo com informações do site Agriculture.com, as cotações do cereal e também do trigo acabaram sendo pressionadas pela valorização do dólar no cenário internacional. "O dólar mais alto impacta na competitividade dos produtos norte-americanos, com os compradores estrangeiros com menor poder de compra. Além disso, a fraca demanda pelos produtos norte-americanos também pesa sobre os mercados", disse o analista Tony Dreibus.

Ainda de acordo com o portal, as vendas de milho dos EUA nesta temporada estão 25% abaixo do registrado no mesmo período do ciclo anterior. Na última semana, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) indicou as vendas para exportação em 803,6 mil toneladas de milho. Para a safra 2015/16, o órgão prevê as exportações americanas do grão em 44,45 milhões de toneladas.

Paralelamente, os investidores permanecem de olho nas informações vindas da América do Sul. No caso da Argentina, a perspectiva é que os produtores ofertem mais milho frente à retirada das tarifas para exportação. Promessa feita pelo novo presidente eleito do país, Maurício Macri, ao longo da campanha e posta em prática no início do mês de dezembro.

Inclusive, a situação acabou gerando rumores no mercado de um possível incremento na área destinada ao cereal no país vizinho ainda nesta temporada. No final da semana anterior, o Ministério da Agricultura da Argentina elevou em 100 mil hectares a estimativa de área plantada com o grão neste ciclo.

Ao todo, a perspectiva é que sejam cultivados 5,4 milhões de hectares de milho na safra 2015/16. Até o momento, pouco mais de 69% da área já foi semeada com o cereal e as condições climáticas permanecem favoráveis ao desenvolvimento das plantações, pelo menos, por enquanto.

Ainda essa semana, outra especulação que ganhou força no mercado e influenciou o andamento das negociações foi de que a China poderá ser tornar mais agressiva nas vendas de milho. A situação seria decorrente da recente alta dos preços do grão no mercado interno chinês.

Veja notícias

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa