Você está em: Home, Noticias

Notícias

24
ABR
Colheita de café em Minas pode ser mecânica

Pedro Henrique Lobato
Estado de Minas

O que hoje é considerado uma utopia por muitos cafeicultores pode se transformar em realidade daqui a dois anos: a colheita mecânica nas lavouras de café, responsáveis por mais da metade da principal commodity da produção mineira. O equipamento, uma vez confirmada a iniciativa, deverá ser projetado ao custo de US$ 200 mil e pode ser financiado por alguma instituição de fomento, a exemplo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O desenvolvimento do robô para colher café em áreas de montanha é uma das propostas do memorando assinado ontem entre os governos do estado e da Coreia do Sul para o intercâmbio de conhecimento entre empresas mineiras e do país asiático ao longo dos próximos três anos. “A Coreia já tem garantidos US$ 2 milhões (para o projeto) e estamos procurando, agora, um parceiro para investir US$ 1 milhão”, disse Mauro Lambert Ribeiro do Valle, diretor técnico científico do Instituto Mineiro de Tecnologia da Informação (Imti), entidade que intermediou o acordo.

A ausência da mecanização nos cafés de montanha é um dos principais entraves ao barateamento do custo da produção para os fazendeiros de encostas, pois a colheita torna-se mais cara com o uso de uma já escassa mão de obra especializada. O memorando entre o governo mineiro e o coreano prevê outros projetos audaciosos, a maioria voltada para o desenvolvimento da indústria aeroespacial. O objetivo é consolidar o projeto da Aerotrópole de Belo Horizonte – desenvolvimento de uma área industrial no entorno do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, de Confins.

Uma das apostas dos dois governos é a o desenvolvimento de tecnologia para a produção de um drone multiuso, que pode ser destinado tanto no combate a incêndio quanto à redução do custo das lavouras. A Coreia já garantiu US$ 14 milhões para esse projeto. O memorando foi assinado entre os representantes dos dois governos, com apoio de outras entidades, na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). “Abriremos várias possibilidades a partir desse convênio. Queremos desenvolver a indústria aeroespacial no estado”, disse Altamir Rôso, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais.

Veja notícias

11
MAR

Brasil vendeu mais soja essa semana

27
FEV

Produção de soja gera renda e melhoria no solo para renovação de canaviais

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta