Você está em: Home, Noticias

Notícias

20
ABR
Volta da chuva ajuda na recuperação de lavouras de café cultivadas em MG

Ernane Fiuza
Globo Rural

A colheita de café pode ser melhor que o esperado no sul de Minas Gerais. Depois das perdas com a seca, a chuva veio na hora certa no começo do ano e contribuiu para a recuperação dos cafezais.
As lavouras do agricultor Renato Paiva, em Varginha, foram afetadas pelo longo período de estiagem no ano passado. Ele colheu 1,1 mil sacas nos 55 hectares de café. Houve redução de 300 sacas em relação à média da fazenda. Mas com a volta das chuvas este ano, o produtor espera recuperar parte da capacidade de produção.

“As chuvas foram bem distribuídas. Eu já devo voltar pra 1,25 mil sacas. E, se tudo correr bem, talvez o ano que vem voltar à minha média normal de 1,4 mil sacas”, avalia Paiva.

Para se ter uma ideia, nos três primeiros meses deste ano choveu 425 milímetros na região, mais do que o dobro do mesmo período de 2014. Foram 225 milímetros só em março, bem acima da média histórica para o mês, de 168 milímetros.

O engenheiro agrônomo da Fundação Procafé fez uma análise das plantas e explicou como as lavouras estão reagindo à volta da chuva. “A partir de março houve a reposição hídrica. A gente viveu em 2014 uma deficiência hídrica total no ano. Então, a gente observa que os frutos estão granando dentro do normal e a expectativa é que a gente tenha um rendimento dentro do normal, perto da média, comparando principalmente a 2014, quando a gente teve um problema muito sério na fase de granação”, diz Rodrigo Naves.

Essa recuperação é confirmada também no município de Três Corações. A lavoura da fazenda do produtor Ricardo Moura está com os pés carregados. “A chuva é o insumo mais caro que existe numa lavoura. Se não tem, não produz café”, diz.

Veja notícias

11
MAR

Brasil vendeu mais soja essa semana

27
FEV

Produção de soja gera renda e melhoria no solo para renovação de canaviais

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta