Você está em: Home, Noticias

Notícias

15
ABR
"Plantar soja é um ciclo sem fim", diz presidente da Aprosoja Brasil

Leandro Becker
Zero Hora

Presidente da Associação dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), Almir Dalpasquale considera natural a expansão da soja, destaca o peso de Estados com perspectiva de supersafra, como o Rio Grande do Sul, e vê grande potencial de crescimento da oleaginosa no Mapitoba, região localizada no Norte e Nordeste que é a nova fronteira agrícola do país.

Para Dalpasquale, a dependência da soja deve ser vista como positiva. Ele argumenta que, hoje, o grão é vital ao produtor por garantir rentabilidade e abrir oportunidade de negócios em outras cadeias, seja como ração mais barata para a pecuária ou matéria-prima de maior qualidade para a indústria.

A seguir, confira a entrevista concedida por Dalpasquale a Zero Hora:

Como avalia os primeiros resultados da colheita de soja no Brasil?

O cenário é muito bom. Além de uma safra positiva, terá um efeito bom, uma vez que os insumos foram comprados a um câmbio mais favorável e, agora, a venda será a uma cotação maior. Não imaginava que venderíamos nestes patamares. Em termos de produção, creio que o Brasil deve fazer uma de suas maiores safras, apesar de intempéries em Goiás e Mato Grosso. Mas há uma compensação diante do crescimento de área. Nesse sentido, o Rio Grande do Sul se destaca e deve fazer sua melhor safra dos últimos anos.

Até que ponto o ajuste fiscal do governo impacta na produção?

O governo federal tem nos dado um atendimento nota 10 nos últimos anos. As taxas de juro se mantiveram baixas e foram essenciais para investimento e custeio. Hoje, o governo passa por dificuldades financeiras, mas não podemos julgar. Temos de entender a situação, e o produtor que não aproveitou as oportunidades para investir deve se acalmar e colocar a casa em dia. O ideal é não se endividar e fazer o tema de casa. As taxas de juro que vão ser praticadas podem ter como consequência um processo doloroso de endividamento no futuro. Logo, é preciso olhar com cautela a abertura de novas áreas.

Qual sua análise sobre o papel da tecnologia, em especial para expandir a produtividade de soja?

O uso de tecnologia e biotecnologia é vital para o resultado da supersafra. Basta olhar que o crescimento de área é pequeno perto do avanço em produtividade. As áreas que estão se abrindo são poucas, especialmente Mapitoba (região que engloba Maranhã, Piauí, Tocantins e Bahia). Mas nos Estados que já são celeiros produtivos, vem havendo um aumento significativo em produtividade. O resultado da safra vai ser cada vez melhor se o Brasil olhar com seriedade para a tecnologia.

Há Estados, como o RS, em que a soja vem ocupando área antes usada para outras culturas, como o arroz. Até onde vai essa expansão?

É resultado da capitalização dos produtores, que vêm de resultados muito bons. E, a partir da soja, tem sido possível produzir e desenvolver outras matrizes o ano todo, não deixando a propriedade refém de uma safra. A soja é garantia para ampliar cadeias.

O que esperar das exportações do grão e das perspectivas do Brasil no mercado internacional?

Estive na China recentemente e me impressionou muito ter ouvido lá que eles têm preferência total pela soja brasileira. É um mercado gigante e que ainda não é atendido completamente, só 40% do que eles consomem. No atual ritmo, haverá uma demanda ainda maior por lá. Por isso, vejo um horizonte muito positivo para nossas exportações e para a soja brasileira no futuro.

A logística é hoje o maior desafio do produtor de soja brasileiro?

O governo atual melhorou muito os portos, além das rodovias, mas é claro que a infraestrutura não é 100%. Também, por meio de financiamentos baratos, foi possível renovar a frota de caminhões e atender melhor à demanda. Temos o problema da distância, mas estamos caminhando. E a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, conhece muito bem esta realidade. Tenho certeza de que na primeira acertada que o Brasil der em crescimento, voltaremos a discutir investimentos em logística.

Até que ponto o desempenho desta safra impactará a próxima?

Creio que a safra 2015/2016 vai ser boa, pois os produtores estarão capitalizados e vão querer manter o que fizeram neste ciclo. Minha preocupação, porém, é de que o agricultor queira dar o passo maior do que a perna. Por isso, será crucial que o produtor saiba a hora certa de fazer os investimentos.

Qual é a região do país que mais deve crescer na cadeia da soja?

O Norte e o Nordeste, no Mapitoba. É impressionante, lembra o Centro-Oeste há 30 anos. São terras boas, com índice de chuva razoável e que vêm tendo boa produtividade. Além disso, demanda estrutura, como armazéns, energia elétrica. São fronteiras de oportunidade. Não será concorrência a outras regiões, mas uma parceira a mais.

O que se pode projetar para o futuro da soja em 10 anos?

Hoje se planta e colhe soja no Brasil o ano inteiro. Quando o Nordeste está terminando a colheita, o Centro-Oeste e o Sul já começam a plantar a próxima safra. É um ciclo que não termina, não tem mais começo nem fim. E isso é muito bacana e importante para o país e para o futuro do agronegócio.

Veja notícias

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa

07
JAN

Soja: cuidados na fase de florescimento podem incrementar colheita em 30%