Você está em: Home, Noticias

Notícias

29
OUT
Clima influencia mercado e milho sobe no Brasil

Globo Rural

O clima seco na maior parte do Brasil tem influenciado o movimento de alta nos preços do milho. A informação foi divulgada nesta terça-feira (28/20) pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

"Com exceção do Sul do País, o tempo desfavorável pode atrasar a temporada de verão e o cultivo de soja, o que, por sua vez, prejudicaria as atividades envolvendo o milho de segunda safra. O clima também deve resultar em menor produtividade e, consequentemente, em recuo na produção", avaliam os pesquisadores.

Ainda de acordo com o Cepea, nos portos, os preços têm subido influenciados pela alta externa e pela valorização do dólar, movimento que tem sido repassado ao interior do País.

Diante do cenário, o indicador que serve de referência para o mercado futuro brasileiro, com base em Campinas (SP), subiu 6,46% entre 20 e 27 de outubro, fechando a R$ 25,37 por saca de 60 quilos na segunda (27/10). O indicador de mercado físico, também com base em Campinas, foi de R$ 24,89 a saca, reação de 6,2%. Na parcial do mês (até o dia 27), as altas são de 15,2% e de 14,9%, respectivamente.

Em Mato Grosso, os dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) reforçam o cenário de pressão altista dos preços. Na semana passada, a média do estado subiu 4,88% saltando de R$ 10,22 para R$ 13,45 por saca de 60 quilos. Desde o início do mês, a alta é de 13,7%.

"Depois da realização de quatro leilões de Pepro neste ano, os preços do milho no mercado interno começaram a mostrar uma reação consistente em outubro", destaca o boletim divulgado pela isntituição nesta semana. De acordo com os técnicos, a reação no ano passado só ocorreu em dezembro depois de dez leilões.

Veja notícias

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa