Você está em: Home, Noticias

Notícias

06
AGO
Produtor vai do inferno ao céu com retomada no preço do café

Renê Moreira
Estadão

Após reclamar, protestar e brigar muito porque o preço do café não pagava o custo de produção, quem vive dessa cultura tem agora motivo para voltar a sorrir. Em oito meses o valor da saca de 60 quilos disparou mais de 50% e hoje já é vendida a R$ 400, preço considerado satisfatório pelos produtores.

O motivo para a valorização foi, principalmente, a seca recorde enfrentada em Minas Gerais - maior Estado produtor do País, e as temperaturas acima da média para o período de cultivo, fatores que causaram uma quebra de até 30% em algumas lavouras. O mercado estimava uma produção de 60 milhões de sacas no Brasil, mas ela deve ficar em 40 milhões, quantidade menor até que a projeção da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que estimava 53 milhões.

O aumento no preço do café é sentido diretamente nos contratos futuros do tipo arábica negociados no exterior. A questão da disponibilidade do produto é o que preocupa o mercado internacional e o que tem jogado o preço para cima. A preocupação não se resume à quebra da safra de 2014 no Brasil, mas principalmente à possibilidade de que problemas climáticos venham a derrubar também a safra de 2015.

No Triângulo Mineiro o preço pago ao produtor subiu 57% desde novembro do ano passado, período em que ainda estava no auge a pior crise do setor cafeeiro em 40 anos. Naquele mês o valor recebido pela saca do café arábica não chegava a R$ 250. A situação se repetia no interior paulista, que também teve suas principais regiões produtoras prejudicadas pela estiagem.

Por isso, apesar da alta do preço agora, ainda será preciso recuperar a grande perda registrada em 2013. E isso vale apenas para o cafeicultor que ainda não comercializou sua produção, já que muitos não tiveram como esperar que o preço subisse e venderam a mercadoria antes em contratos futuros e a preços bem mais baixos.

Projeção

A apreensão no mercado internacional foi assunto do The Wall Street Journal na última quarta-feira, 30. O presidente executivo do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro, confirmou à publicação que deverão ser colhidas 40 milhões de sacas de 60 kg nas safras 2014 e 2015 do Brasil. O problema maior, segundo ele, foi a falta de chuva no início deste ano nos Estados de Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo.

Com 90% de água a menos em algumas regiões, os grãos de café ficaram menores e não é possível saber se as plantas vão se recuperar para a colheita em 2015. Isso sem contar que há a necessidade de uma quantidade maior de grãos para se encher uma saca por estarem pequenos. A reportagem do jornal atribuiu a alta no preço à expectativa de uma oferta menor por parte do Brasil. Já o Conselho Nacional do Café garante que não faltará mercadoria, mas prevê um preço mais alto para recompensar o produtor.

Veja notícias

11
MAR

Brasil vendeu mais soja essa semana

27
FEV

Produção de soja gera renda e melhoria no solo para renovação de canaviais

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta