Você está em: Home, Noticias

Notícias

20
JUN
Estudos apontam o café como biocombustível para o futuro

Guilherme Fontana
Autopolis

Cada vez mais, cientistas e engenheiros buscam combustíveis alternativos que possam unir eficiência e baixo custo. Com isso, um em especial vem se destacando frente às pesquisas – e você certamente o tem em sua casa. Pode parecer estranho, mas o café é um grande promissor na área dos biocombustíveis, de acordo com pesquisas da Universidade de Bath, no Reino Unido, o que não significa que poderemos sair por aí abastecendo carros com a bebida feita em casa (ou que o Starbucks passará a vender combustível).

Os cientistas descobriram que as sobras, ou resíduos, produzidos pelo café, possibilitam a extração de um óleo que, quando transformado por um processo químico chamado de transesterificação, permite a conversão em biodiesel. A transformação pode ser feita independente do tipo e da origem do grão, já que todos têm partículas com as mesmas características – pesquisadores já fizeram o combustível a partir de café moído produzido em 20 países diferentes.

A partir disso, passou-se a calcular a quantidade de resíduos produzida mundialmente (considerando borra, pó e grãos descartados), que chega a cerca de 8 milhões de toneladas. Um único estabelecimento de café pode descartar, por dia, 10 kg de sobras. ”Este óleo também tem propriedades semelhantes às matérias-primas atualmente usadas ??para produzir biocombustíveis. Mas, enquanto aqueles são cultivadas especificamente para a produção de combustível, borras de café são resíduos. Usando estas, há um potencial real para a produção de um biocombustível realmente sustentável de segunda geração”, afirma Chris Chuck, membro do Departamento de Engenharia Química da universidade. 

Veja notícias

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa

07
JAN

Soja: cuidados na fase de florescimento podem incrementar colheita em 30%