Você está em: Home, Noticias

Notícias

16
OUT
Plantio da soja avança na América do Sul e pressiona preços em Chicago

Notícias Agrícolas
Carla Mendes

O cenário climático mais favorável para o plantio da soja na América do Sul foi um dos fatores de pressão para os preços no mercado internacional nesta terça-feira (15). Na sessão regular na Bolsa de Chicago, os vencimentos mais negociados da oleaginosa encerraram o dia perdendo entre 1,25 e 6 pontos. Segundo a Oil World, na temporada 2013/14, a semeadura em importantes produtores sulamericanos será recorde.

Segundo a consultoria alemã, os produtores nos cinco principais produtores da América do Sul deverão cultivar cerca de 54,2 milhões de hectares, 2 milhões de hectares a mais do que na temporada 2012/13. Assim, esses primeiros indicativos já começam a ser observados e precificados pelo mercado internacional, segundo explicou o analista Vinícius Ito, da Jefferies Corretora.

"Nós tivemos um desenvolvimento positivo na América do Sul, um potencial melhor de chuvas na Argentina e um anel de alta pressão que estava estacionado na parte central e norte do Brasil está, aparentemente, se deslocando e permitindo a passagem de mais chuvas. (...) Isso deixou uma perspectiva de que a América do Sul poderia atingir uma área grande como indicam as estimativas, principalmente no Brasil", disse.

Para Ito, a grande diferença entre os preços da soja, tanto em Chicago quanto no Brasil, também estimulam os produtores a se voltarem mais para o cultivo da soja, o que também atua como fator de pressão negativa para os preços.

O avanço da colheita nos Estados Unidos é outro fator que completa o quadro de cotações pressionadas para a soja. Segundo o analista, na última semana, os trabalhos de campo evoluíram bem. Porém, para essa semana, há algumas chuvas previstas, no entanto, a expectativa do mercado é de que a colheita já alcance o índice de 60% até o próximo domingo (20).

Paralelamente ao desenvolvimento das safras tanto nos EUA quanto na América do Sul, o mercado ainda observa com atenção a paralisação do governo norte-americano com o impasse político no país. Democratas e republicanos ainda não chegaram a um acordo a dois dias do prazo final antes que os Estados Unidos, teoricamente, entrasse em calote.

"No caso da soja, dos mercados agrícolas, não sabemos se há exportações, como anda a colheita, a classificação das lavouras, e no mercado financeiro isso impacta em uma magnitude muito maior, pois há vários dados que não estão sendo divulgados nessas últimas três semanas. O mercado está bastante aflito, e geralmente, os investidores começam a reduzir suas posições ou ficam temerosos em iniciar novas posições até que haja uma definição", explica Ito.

O que limita o potencial de baixa do mercado, no entanto, é a demanda ainda muito aquecida. Apesar da falta de informações oficiais, há rumores de que a China estaria realizando boas compras de soja e milho nos Estados Unidos. "Sabemos que, na semana passada, a China teria voltado de seu feriado e comprado, potencialmente, 1 milhão de toneladas. Esse rumor foi aumentando e hoje já há rumores de que a China teria comprado de 2 a 2,5 milhões de toneladas dos EUA, e estariam procurando embarques para dezembro, janeiro e até abril, o que e atípico", explicou o analista da Jefferies.  

Veja notícias

11
MAR

Brasil vendeu mais soja essa semana

27
FEV

Produção de soja gera renda e melhoria no solo para renovação de canaviais

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta