Você está em: Home, Noticias

Notícias

21
FEV
Plano estima transporte de 230 milhões de toneladas nas hidrovias

AI Antaq

Agência Nacional de Transporte Aquaviário (Antaq) lançou, nesta terça-feira, o Plano Nacional de Integração Hidroviária (PNIH), em Brasília. De acordo com o estudo, as hidrovias deverão captar 11% do volume total de cargas que circulará na área de influência das seis principais bacias hidrográficas do país no início da próxima década, o que representa 228 milhões de toneladas.

O país também deverá ganhar mais cinco mil quilômetros de hidrovias até 2020, totalizando 25 mil quilômetros. Mas, para tanto, os investimentos deverão contemplar as outras hidrovias brasileiras, além das seis hidrovias (Sul, Amazônica, Paraná-Tietê, Tocantins-Araguaia, Paraná-Paraguai e São Francisco) contempladas no estudo.

Até 2030, o país deverá ampliar em 50% a sua malha hidroviária, saindo dos atuais 20 mil quilômetros para cerca de 30 mil quilômetros. "O governo federal está trabalhando em três níveis de planos, integrando três pastas ligadas às hidrovias, pela primeira vez no país”, disse o diretor executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz Ferreira. O movimento é encabeçado pela Aprosoja Mato Grosso.

Ao apresentar o PNIH, o superintendente de Navegação Interior da ANTAQ, Adalberto Tokarski, destacou a importância do estudo para ajudar a melhorar a eficiência da logística de transportes do país. “O PNIH vai ajudar a mudar a participação do modal hidroviário na matriz brasileira de transporte. Com ele, nós poderemos, por exemplo, conhecer a melhor rota para escoamento de uma carga, a partir de uma determinada região produtora, e comparar a eficiência dos modais aquaviário, rodoviário e ferroviário nessa rota”, observou.

Segundo ele, o PNIH também contempla o levantamento de diversas áreas com potencial para implantação de novas hidrovias, portos e terminais no interior do país, identificando os produtos mais relevantes em cada região, trazendo ainda dados importantes para a elaboração das políticas públicas do setor, como a quantificação dos fluxos atuais e a projeção dos fluxos futuros de comercialização e transporte.

Para a execução do Plano Nacional de Integração Hidroviária, foi constituída e implantada uma base de dados georreferenciada, que agregou informações da própria ANTAQ e de outras instituições públicas e privadas. E para potencializar os estudos, foi desenvolvida uma ferramenta, chamada GIS (Geographic Information System) – SIGTAQ. O estudo foi elaborado por técnicos da Agência e do Laboratório de Transportes da Universidade Federal de Santa Catarina (LabTrans/UFSC) e levou dois anos para ser concluído.

Hidrovias - O PNIH contemplou seis das principais bacias hidrográficas brasileiras em cenários quinquenais que vão de 2015 a 2030. Na hidrovia Tietê-Paraná, por exemplo, deverão circular 28 milhões de toneladas de cargas em 2020, representando 3,4% do volume total de cargas da sua área de influência. A Hidrovia do Sul, contudo, é a que deverá ter maior participação em relação ao total de cargas transportadas na sua área de influência no início da próxima década, atingindo 48,3% do total das cargas, com 55 milhões de toneladas.

As hidrovias Amazônica, Paraná-Paraguai, São Francisco e Tocantins-Araguaia representarão em relação às cargas transportadas em sua área de influência, respectivamente, 25,7% (98 milhões de toneladas), 37,3% (23 milhões de toneladas), 0,8% (3,6 milhões de toneladas) e 8,4% (18,7 milhões de toneladas).

O especialista em navegação interior da Agência, Eduardo Queiroz, disse que, devido à sua localização central e à ligação com importantes portos do norte do Brasil, como Belém, Vila do Conde e Barcarena, a Hidrovia Tocantins-Araguaia poderá vir a ser uma importante via de ligação na região Centro-Norte do país, com a expansão dos seus trechos navegáveis. “O estudo mostra um aumento substancial na movimentação nessa hidrovia com as ampliações de navegabilidade nos trechos dos rios Araguaia e das Mortes, em 2025 e 2030. Com isso, a hidrovia passará a contar com terminais mais próximos das áreas produtoras de grãos do Mato Grosso e Goiás”, apontou.

Veja notícias

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa

07
JAN

Soja: cuidados na fase de florescimento podem incrementar colheita em 30%

26
NOV

Safras eleva previsão de produção de soja 18/19 do Brasil a recorde de 122,2 mi t