Você está em: Home, Noticias

Notícias

15
JUN
Produtores brasileiros de café e açúcar lucram com alta do dólar

Muitos produtores brasileiros de café e açúcar viram na semana passada uma rara oportunidade para fixar preços com margens razoáveis de lucro em um momento de excesso de oferta global para os dois produtos, agindo rápido para lucrar quando a moeda brasileira atingiu sua mínima em dois anos frente ao dólar.

Produtores de grãos também fecharam algumas vendas, principalmente para a próxima safra de soja, mas as negociações foram mais lentas em decorrência do debate político sobre custos de frete, disseram à Reuters analistas e participantes do mercado.

O real despencou cerca de 5% em 7 de junho, com a moeda norte-americana avançando para quase R$ 4, em meio a receios sobre a política econômica errática e a corrida presidencial muito aberta. Para os produtores vendendo commodities em dólar, isso significa mais reais por tonelada de café, açúcar ou milho.

 

Produtores da região de Garça esperam colher 300 mil sacas de café em 2018 (Foto: Reprodução/TV TEM)

 

Fundos investindo em commodities e processadores de alimentos ficam atentos a informações de volumes de vendas de grandes produtores, como o Brasil, para ajustar melhor suas posições no mercado.

José Aparecido Naimeg, que produz café na região do Cerrado em Minas Gerais e entrega seu produto para a cooperativa Expocaccer, disse: "Nós fixamos quando há picos (nos preços)". A cooperativa se encarrega de fazer o hedge em Nova York.

Ele disse que viu vendas pesadas por produtores na semana passada, quando os preços em real saltaram cerca de R$ 40 por saca (60 quilos), aproximando-se de R$ 500 por saca de café arábica.

O volume negociado para o café em Nova York em 7 de junho foi o máximo desde junho de 2016.

O operador-chefe em uma das principais exportadoras de café do país, que pediu anonimato, disse que um comprador adquiriu 100 mil sacas por volta de R$ 490 por saca na semana passada, já que os produtores estavam mais dispostos a fechar negócios.

Thiago Cazarini, corretor na Cazarini Tranding Company, disse que os acordos esfriaram de novo depois que o Banco Central aumentou suas interferências no mercado de câmbio, trazendo o real de volta para cerca de R$ 3,70 por dólar.

 

Fonte: G1

https://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/produtores-brasileiros-de-cafe-e-acucar-lucram-com-alta-do-dolar.ghtml

Veja notícias

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa