Você está em: Home, Noticias

Notícias

24
ABR
Soja em Chicago tem novas altas nesta 2ª feira com suporte do dólar e atento ao clima nos EUA

Notícias Agrícolas

O mercado da soja na Bolsa de Chicago começa a semana em campo positivo. Na manhã deta segunda-feira (24), os futuros da oleaginosa subiam mais de 7 pontos entre as posições mais negociadas, com o contrato maio/16 valendo US$ 9,58 por bushel. 

As cotações dão continuidade ao movimento positivo observado na última semana e devem contar com uma semana agitada. Há informações vindas do financeiro, do cenário político internacional - com a surpresa do segundo turno das eleições presidenciais da França - e mais o clima nos Estados Unidos ajudando a direcionar os preços dos grãos. 

Enquanto isso, o dollar index cede frente a uma cesta de outras divisas e ajuda as commodities de uma forma geral nesta segunda. O indicador, na manhã de hoje, já trabalhava abaixo dos 99 pontos, com queda de 0,73%. 

Entre as informações do clima nos Estados Unidos, as previsões de novas chuvas chegando ao Meio-Oeste trazem algum suporte aos preços, uma vez que pode manter um pouco mais lento do que o esperado para essa época o plantio na região. Estão previstos elevados volumes a partir desta terça (25) e quarta-feiras (26). 

É importante lembrar, porém, que o plantio efeitvo da soja nos EUA tem início em maio e que neste momento a preocupação do mercado é de entender se haverá, por conta do clima, algumas áreas adicionais de soja em função da dificuldade na semeadura do cereal. 

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) atualiza no final da tarde de hoje o progresso dos trabalhos de campo e o mercado espera o plantio do milho concluído em algo entre 11% e 12%, contra 18% de média para este período. 

Veja notícias

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa