Você está em: Home, Noticias

Notícias

08
MAR
Milho opera em compasso de espera e mantém ligeiras perdas ao longo da sessão desta 4ª feira na CBOT

NotÍcias Agrícolas 

As principais posições do milho negociadas na Bolsa de Chicago (CBOT) mantêm a movimentação negativa ao longo do pregão desta quarta-feira (8). Às 12h16 (horário de Brasília), os contratos exibiam quedas moderadas, entre 1,50 e 1,75 pontos. O contrato março/17 era cotado a US$ 3,67 por bushel, enquanto o maio/17 trabalhava a US$ 3,74 por bushel.

As informações das agências internacionais indicam que o mercado ainda trabalha em compasso de espera para o novo boletim de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). O boletim será reportado nesta quinta-feira (9).

Além disso, a questão da oferta também tem sido um fator de pressão sobre os preços, ainda conforme destacam os analistas. "A maioria das estimativas recentes apontam para uma safra do cereal próxima de 93 milhões de toneladas nesta temporada no Brasil", disse Benson Quinn Commodities. A projeção é da consultoria INTL FCStone e foi reportada essa semana.

BM&F Bovespa

Enquanto isso, na BM&F Bovespa as cotações operam com ligeiras movimentações nesta quarta-feira. Perto das 11h59 (horário de Brasília), os primeiros contratos do cereal perdiam entre 0,06% e 0,11%. O março/17 era cotado a R$ 35,26 a saca. Apenas o setembro/17 subia 0,23%, negociado a R$ 30,15 a saca.

As cotações operam sem direção definida, em meio à queda nos preços no mercado internacional e da alta registrada no câmbio. Às 11h59, a moeda norte-americana era cotada a R$ 3,1484, com ganho de 0,90%. Segundo a Reuters, a movimentação é decorrente dos números do mercado de trabalho no setor privado dos Estados Unidos, que ficaram acima das expectativas.

Veja notícias

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa

07
JAN

Soja: cuidados na fase de florescimento podem incrementar colheita em 30%