Você está em: Home, Noticias

Notícias

28
DEZ
Café: Após queda na véspera, Bolsa de Nova York opera com leve alta em ajustes nesta 4ª feira

Notícias Agrícolas

 

Em ajustes técnicos, os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) operam com leve alta nesta manhã de quarta-feira (28) e recuperam parte das perdas registradas na véspera. Apesar da alta, o mercado segue bastante atento as chances cada vez menores de desabastecimento do grão em 2017 por conta das melhores condições climáticas no cinturão produtivo do Brasil, maior produtor e exportador da commodity no mundo. O câmbio também influencia nos preços externos da variedade.

Por volta das 09h32, horário de Brasília, o contrato março/17 registrava alta de 95 pontos e estava cotado a 135,15 cents/lb, o maio/17 subia 70 pontos e operava a 137,20 cents/lb. Já o vencimento julho/17 anotava 139,50 cents/lb também com 70 pontos de valorização, enquanto o setembro/17, mais distante, tinha avanço de 90 pontos, cotado a 141,75 cents/lb.

Na véspera, os contratos futuros do café arábica na ICE atingiram o menor patamar em seies meses. "Os futuros recuaram mais uma vez dando sequência as negociações vinculadas às estimativas de produção mais altas do que o previsto no Brasil. Os produtores brasileiros estão oferecendo menos, e os produtores na América Central não estão ofertando suas produções devido à fraqueza dos preços. As ideias são de que a produção de arábica será forte na América Latina", reportou o analista e vice-presidente da Price Futures Group, Jack Scoville.

No Brasil, seguem lentos os negócios com café ainda mais nesta semana marcada pelas comemorações de final de ano. Além disso, os preços ofertados não agradam o cafeicultor, que só deve voltar às praças de comercialização do país no início de 2017.

Veja notícias

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa