Você está em: Home, Noticias

Notícias

06
JUN
Cana, milho, algodão e café devem bater recorde de produção em 2012

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgou nesta terça-feira(05) os números da safra 2011/2012, com destaque para a cana, milho, algodão e café , que registraram variações recordes.

A produção de cana-de-açucar deve chegar a 745,2 milhões de toneladas, alta de 4,2% em relação ao ano passado. Para o milho a previsão é de 68,5 milhões de toneladas, aumento de 21,7%. Algodão 5,3 milhões de toneladas, com avanço de 4,6% e a expectativa para o café, é de uma produção de 3 milhões de toneladas, alta de 13,6%.

Mauro André Andreazzi, gerente de Coordenação Agropecuária do IBGE, afirmou que as estimativas devem variar pouco, uma vez que as culturas já estão sendo colhidas. Com a confirmação dos números, a safra de grãos brasileira pode bater recorde com uma produção de 160,3 milhões de toneladas, 0,1% maior que em 2011. A área plantada no Brasil também registrou aumento, de 2,5%, com 49,8 milhões de hectares em produção, a maior desde 1975, quando as pesquisas começaram.

Milho é o destaque

Segundo levantamento do IBGE, a produção de milho deve ser maior que a da soja pela primeira vez em 10 anos. Safra e safrinha juntas devem produzir 68,5 mi enquanto a safra de soja encerra com uma queda de 12,4% e uma produção de pouco mais de 66 mi de toneladas. A estiagem nas Regiões Sul e Nordeste do país prejudicou a soja. Já o milho registrou incremento na área plantada, com produtor estimulado pelos bons preços do produto, que tinham estoques nacionais e internacionais bastante baixos.

Variações nos índices de produção

Na comparação entre as estimativas de abril e maio, o relatório do IBGE mostra que a cultura do algodão teve alta de 3%, principalmente no Mato Grosso, estado que produz 58% da safra nacional. A batata-inglesa teve um incremento de 5,1% na terceira safra, levantamento difícil de fazer, segundo o pesquisador, porque os produtores alternam as áreas de plantação para evitar pragas. Já o café teve baixa de 0,6% devido ao excesso de chuvas provocando doenças e diminuindo a produção.

O feijão teve queda de 2,1%. A primeira safra plantada no final do ano passado foi prejudicada por problemas climáticos, mas os preços foram se recuperando na segunda safra e a terceira já está sendo plantada com um bom preço. No entanto, Andreazzi diz que talvez seja necessário importar feijão, porque, de acordo com dados da Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), o consumo brasileiro de feijão é de 3,7 milhões de toneladas por ano, enquanto a produção deve ser de 3,1 milhões de toneladas.

Fonte: Notícias Agrícolas // Paula Rocha

Veja notícias

20
FEV

Milho e soja tem alta na primeira quinzena de fevereiro

19
FEV

Milho: Bolsa brasileira abre a semana com preços em alta

05
FEV

Ministra afirma que café será prioridade na agenda do Governo

15
JAN

Qualidade dos cafés brasileiros melhorou, diz pesquisa